O presente do dia das crianças

  • 0 comentários

O dia das crianças está se aproximando. Naturalmente é mais uma data artificial criada pela sociedade do consumo a fim de fazer a economia girar. Infelizmente em muitas famílias a supervalorização do dar dilui a consciência do estar com. Uma reflexão importante sobre isso pode ser apreciada no curta metragem Criança, a alma do negócio, disponível na internet no canal Youtube.

Por que os pais precisam sacrificar recursos de que muitas vezes não dispõem – parcelando compras em muitas prestações – para satisfazer os desejos (quase sempre transitórios) dos filhos? Imagino a pronta resposta de alguns leitores: “Para ver a alegria no rosto da criança!”.

Com facilidade, caímos na equação: crianças com seus desejos de consumo satisfeitos são crianças felizes. Será? Vejo alguns problemas nessa equação. Em primeiro lugar, há o problema da medida da satisfação. O desejo humano é simplesmente insaciável e o nível que demarca a medida final é “um pouco mais”. Assim, quanto mais os pais se esforçam para atender às demandas consumistas infantis, mais demandas surgirão. Em segundo lugar, se a equação fosse verdadeira, teríamos ao redor do mundo um exército de crianças deprimidas, cujos pais vivem em condições de pobreza absoluta e miserabilidade e jamais podem contemplar desejos de consumo criados pela mídia. Por último, é imprescindível distinguir entre o conceito de felicidade e o de euforia. Crianças ficam eufóricas quando os desejos que foram implantados em suas cabecinhas pela mídia são satisfeitos, mas tal euforia se esvai em um tempo relativamente curto e então é necessária outra dose midiática para ativar um novo desejo, num espiral crescente infinito. Isso nada tem a ver com felicidade, que é um estado de relaxamento e contentamento mais perene, que depende de outros fatores.

Se a euforia é resultado da satisfação do desejo consumista, o que é de fato a felicidade e como ela pode ser alcançada? Em nosso entendimento a felicidade é resultado do estar com, ou seja, tem um caráter essencialmente relacional. A crianças precisam de contextos relacionais (em geral a família) que lhes assegurem sentido de segurança, pertencimento e amor incondicional. Os filhos precisam que seus pais estejam presentes em seu universo: brinquem com eles entrando em seu mundo fantasioso; ouçam suas “bobagens”; conversem sobre coisas que são importantes para os filhos.

É comum recebermos para aconselhamento pais que se preocupam com o desempenho escolar dos filhos, seu comportamento na escola ou na casa de amigos e suas atividades extraclasse – que os tornarão competitivos no mercado de trabalho –, porém muitas vezes nem sequer sabem os nomes dos amigos dos filhos. Dão-lhes brinquedos eletrônicos para não terem de “se incomodar”, pois o eletrônico absorve toda a atenção da criança, que assim “dá um descanso para os pais”. E se os filhos requerem mais atenção os pais queixam que ter filhos é muito trabalhoso.

Sim, ter filhos dá trabalho! Mas é um privilégio singular. Sentar-se de forma relaxada com eles e realizar atividades que apreciam; ter conversas inteligentes com adolescentes preocupados com as “nascentes espinhas”; inventar coisas para se divertirem juntos – como transformar caixas de papelão e pedaços de ripas num barco de piratas ou montar um carinho de rolimã – são oportunidades impares de convivência com os filhos.

Felicidade é poder ver o filho – criança ou adolescente – aninhar-se no seu colo e dizer relaxadamente “Que dia legal tivemos hoje, não?!”. Deixamos com você a pergunta: “Que presente você dará a seu filho no próximo dia das crianças?”.

(Texto de: Revista Ultimato, nº 362, p. 32. Escrito por Carlos “Catito” e Dagmar. São casados, ambos psicólogos e terapeutas de casais e de família.)

Share Social

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *